O líquen plano é uma desordem inflamatória crônica, mais comum em mulheres, pode acometer algumas regiões do corpo como, boca, pele, unhas e mucosa genital. O acometimento da mucosa da boca aparece como estrias, erosões e ulcerações, as quais pode passar despercebidas pelo portador quando ele está na forma assintomática, e eventualmente pode ser detectado durante uma consulta odontológica de rotina.

Não é incomum o líquen plano oral (LPO) acometer a região da gengiva, e muitas vezes o paciente passar anos realizando o tratamento periodontal convencional sem uma resposta completa por não ter um diagnóstico adequado de gengivite descamativa relacionada ao LPO.

O diagnóstico adequado pode ser realizado por um cirurgião-dentista com experiência em diagnóstico de lesões orais como o estomatologista, através de biópsia incisional (remoção de um pequeno fragmento da lesão) em áreas específicas.

O tratamento consiste em controle das lesões sintomáticas, mas a cura efetiva dessa condição não é possível por ser uma desordem crônica. O tratamento das lesões que acometem a gengiva pode ser realizado pelo controle de biofilme dental, placa e cálculos associado ao uso tópico de corticosteroides específicos aplicados em moldeira. Em lesões com sintomas de difícil controle outras terapias podem ser associadas como a fotobiomodulação desde que bem indicada.

É importante orientar o paciente sobre fatores associados à piora do quadro clínico, como má higiene e stress, assim como sobre a necessidade de acompanhamento periódico das lesões devido ao fato de ser considerada uma desordem potencialmente maligna da boca pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Dra. Lara Maria Alencar Ramos Innocentini
Doutora em Estomatopatologia
Habilitação em laserterapia
Habilitação em Odontologia Hospitalar